0

Sabes filha…

...tu foste uma bebé muito desejada. Os teus pais tinham um desejo enorme de tornar o amor que os unia em algo palpável e, depois de muitas e longas tentativas, nasceste tu.

Vivi com toda a calma e serenidade as 39 semanas em que estiveste dentro de mim, quando eras mesmo só minha. Confesso, não sou como grande parte das mães, não tenho saudades da barriga que tinha quando estava grávida de ti. Não digo que passaria pelas mesmas dores de parto outra vez. Não te chamo princesa nem nada que se pareça e muito menos grito aos quatro ventos o quão importante és para mim, mas tu sabes que és.

Da minha parte, não há um beijo, um abraço, um carinho ou um olhar que tenha ficado por dar; para que todos estes pequenos grandes gestos sejam mútuos, ainda temos de trabalhar um bocadinho a tua coordenação. És a razão do meu viver, o ar que respiro, o sol que me aquece, o que me faz acordar com vontade de vencer todos os dias e a razão de querer um mundo melhor para ti quando cresceres.

Sabes, filha, a vida não é de todo fácil. Vais-te aperceber disso, à medida que fores crescendo. Infelizmente, os adultos são complicados, perderam a inocência e a sinceridade algures, no labirinto da vida, o que torna muitas situações difíceis de gerir. Eu e o teu pai cá estaremos para te dar as bases para ultrapassares todos os obstáculos com que a vida te confrontar, para te guiar neste caminho que poderá ser tortuoso, mas onde o destino será sempre a tua felicidade.

Sabes, filha, durante esse caminho vais passar por uma fase em que não saberás ou quererás expressar as tuas emoções, principalmente comigo. Mas eu vou estar sempre disponível para ti, o meu colo dar-te-á o conforto de que irás precisar quando estiveres triste e a alegria que quererás partilhar quando estiveres feliz.

Sabes, filha, quando olho para ti, sinto que estou a fazer um bom trabalho. Esta coisa de ser mãe é mesmo inata. Não há um manual, não há uma maneira correcta de o fazer, não é ensinado, é algo que se vai aprendendo, dia a dia, passo a passo, minuto a minuto, cada uma à sua maneira. E eu tenho-me guiado muito pelo instinto, esse não falha… (até hoje) nunca falhou!


Mas tu és tão fácil de educar filha, tens um espírito aventureiro, curioso e inteligente. Estar parada não é para ti, és uma traquina, mas sempre bem-disposta. Se as birras existem? Claro que existem, mas são só quando tens fome ou sono e... sejamos sinceros, o teu pai também as faz, ao seu jeito, e vai fazer 35 anos;)

Hoje fazes um ano e hoje faz exactamente um ano que a nossa vida tomou outro sentido. Faz um ano que esse sentimento, o amor, se tornou quase inexplicável. Um ano de conquistas, de aprendizagens, de alguns sustos (normais) de pais de primeira viagem, um ano que passou literalmente a voar, mas que passou com um grande sorriso nos nossos corações.
Que a vida te sorria sempre, minha caracolinhos, e que sejas muito, mas mesmo muito, feliz.

“Artigo originalmente publicado em www.theoofdiary.com