0

Re-aprender a sentir e a expressar

Imagina que conseguias libertar-te do controlo da mente e entrar na confluência com o teu movimento natural, primário, essencial… e em contacto com as tuas emoções... imagina que ao dissolveres os nós do movimento do teu corpo acedias a memórias, a imagens, a sensações e a emoções aprisionadas no tempo do teu crescimento e do teu condicionamento enquanto adulto, inserido num meio próprio e sobre circunstâncias únicas... imagina que aos poucos, passo a passo, resilientemente, com determinação e um real querer de transformar, libertando o que és, tirando as máscaras que te habituaste a usar, te superas para além dos limites do desconforto que te impediam de ir mais longe e concretizar,  deixas cair a vitimização que te habituaste a usar como barreira para não te responsabilizares e viveres aquém do que realmente desejas… imagina o que é aprender a respirar e a mover com a totalidade do teu corpo, retomando esta dimensão em adulto, cujas memórias remontam à tua origem, à tua criação enquanto ser humano ligado de forma simples e funcional a tudo o que existe em ti, e no mundo à tua volta…imagina o que é voltares a sentir ligação à tua energia, ao teu coração, à tua vibração de forma plena e instintiva... imagina que o teu corpo volta a comandar e a ser um livro aberto, com mensagens claras e precisas, que tudo se torna mais nítido e mais pacífico, que és assumado de uma tranquilidade, segurança e confiança, mesmo perante os desafios que antes te tiravam o sono... imagina que as sensações de dor e tristeza, de angústia e ansiedade, de raiva e zanga acumulada dão lugar a sorrisos e gargalhadas, a movimento e à expressão, a afeto e a prazer, que os muros e fossos que criaste entre ti e o outro, entre a tua realidade destorcida e a verdadeira realidade, mais simples e fluída, se começam a desvanecer até teres os caminhos abertos, possibilidades várias e uma nova perspetiva da tua vida… imagina conseguires cada vez mais aceder a uma fonte inesgotável de pura emoção, de compaixão, de amor incondicional pelo que é e como é, de entrega e de uma verdadeira capacidade de receber, em respeito pelo próprio e pelo outro…imagina conseguires enfrentar e aceitar todos os teus lados, as tuas facetas, os teus comportamentos, pelo que são, pelo que representam, pelo que te serviram e puderes escolher conscientemente o que realmente serve agora, aqui, no teu presente.

Esta tem sido a minha experiência com a Bioenergética*, a minha caminhada, a minha evolução, no regresso à base, ao essencial, à vida vivida e partilhada, à vida sentida e expressada, à presença mais consciente em cada momento e ao desmitificar dos medos. A expressão da criatividade e a vivência de uma sexualidade mais plena. É uma caminhada de descoberta e revelações, é um reencontro com memórias e recordações, que traz a abertura e a expansão do sentir, que me permite ver quem eu sou e me permite acreditar, colocando como prioridade o que realmente é importante.

*o trabalho de Bioenergética é constituído por exercícios corporais vinculados com a respiração. Alexander Lowen, um discípulo de Wilhelm Reich, por sua vez discípulo de Freud, criou-os partindo do princípio de que a criança, quando é obrigada a suprimir a expressão dos seus sentimentos (o que equivale a suprimir o sentimento em si, desenvolve bloqueios corporais correspondentes à emoção que foi suprimida, diminuindo, assim, a mobilidade e a vitalidade do corpo. As emoções que não são expressas ao longo da nossa vida ficam contidas no nosso corpo, originando contracturas (as couraças musculares). A Bioenergética dá-nos uma nova oportunidade: a de transformar a nossa vida. (definição do terapeuta Pramod Miguel Bento, criador de Encontros do Umbigo)