0

O Milagre Acontece: Já nasceu! E agora? 1ª parte



Na sequência dos meus artigos anteriores sobre a viagem da concepção, gravidez e parto, eis que chegamos ao fruto da criação com amor: o nosso bebé, que é nosso e não é ao mesmo tempo.
Quando nasce um novo ser, um milagre acontece. Ou melhor, mais um milagre acontece, pois o dia-a-dia está repleto de pequenos milagres nos quais nem reparamos.
Costumo dizer ao meu filho de 10 anos, que a tecnologia que o Homem criou é incrível, mas que a maior tecnologia alguma vez inventada, na qual só reparamos se nos religarmos ao poder da natureza e da vida, é a semente: uma semente é colocada na terra e dela nasce uma planta, uma árvore que dá frutos, frutos estes cheiinhos de sementes no seu interior. Um homem coloca uma semente (espermatozoide - do grego antigo spérma /"semente" + zoon /"animal”) dentro de uma mulher e da união desta semente com o óvulo gera-se um novo ser, que cresce no ventre e um dia sai do mundo da água para o mundo do ar, pronto para também dar frutos. Quem já assistiu ao momento do nascimento pelo menos uma vez sabe daquilo que falo. Naquele momento, sentimo-nos pequenos, sentimos que somos nada perante o milagre da vida.
Após os breves instantes do parto, aquele momento em que a sala se enche de luz e energia, algo extraordinário e inexplicável para quem o vive ou observa pela primeira vez ou como se fosse a primeira vez, o casal está envolvido em ternura, fascinado com o fruto do seu amor.
Idealmente o cordão umbilical não é cortado imediatamente mas apenas quando para de pulsar. Isto permite ao bebé continuar a receber sangue rico em oxigénio antes de ser capaz de usar os pulmões pela primeira vez, tornando a sua chegada ao mundo mais tranquila. Além disso, o sangue do cordão é rico em glóbulos vermelhos que fornecem armazenamento de ferro para os primeiros seis meses de vida do bebé.
O bebé é logo colocado no peito da mãe e coberto com uma manta. Este primeiro contacto entre a mãe e o bebé irá tranquilizá-lo, graças ao contacto de pele com pele e ao som da voz da mãe que ele está habituado a ouvir. Após o corte do cordão umbilical, o bebé já pode ser amamentado pela primeira vez. A sucção irá ajudar o útero a voltar ao seu tamanho normal - a natureza é perfeita.
A primeira substância que o bebé recebe da mãe é o colostro – a substância mais importante para o sistema imunitário que um bebé alguma vez poderá receber. Durante a gravidez, os anticorpos da mãe passam do seu sangue para o sangue do bebé. O colostro também transmite anticorpos que previnem inúmeras infecções e estimulam o próprio sistema imunitário do bebé.
Muitas mulheres pensam que não têm leite nos primeiros dias após o nascimento, mas isso é completamente normal. O bebé tem que estimular os mamilos, para que a “fábrica de leite” comece a produzir. E a mulher tem que ter vontade de dar e disponibilidade para tal.
A amamentação é somente um dos grandes desafios da nova família (prometo um artigo inteiro dedicado a este tema!), outros virão, mas nesta fase é crucial viver um dia de cada vez, um minuto de cada vez. É tudo muito intenso e a nossa atenção plena é necessária.
Receber um novo ser na família implica uma grande responsabilidade e sentido de dever, mas não sem um enorme sentido de humor e de prazer. Será mais uma vida única e irrepetível, mais uma personalidade sem par, mais um ser ávido para descobrir o mundo. O seu papel é estar ali, ao seu lado.

Nos próximos artigos irei continuar a escrever sobre a fase após o nascimento e os cuidados com o recém-nascido.