0

Dicas para uma relação saudável entre bebés e cães


Éramos três cá em casa antes do Rafael nascer, eu, o meu marido e a nossa filha de quatro patas, a Yara! Ela é muito pequenina, a raça também assim o exige, é uma Chihuahua de pêlo curto. É muito mimada e pouco sociável com outros animais para minha tristeza. Quando adoptámos esta princesa pesquisei muito sobre a raça e soube logo que o relacionamento entre Chihuahuas e crianças não era o mais amigável. Não liguei porque sou da opinião que os cães são o reflexo dos donos mas claro que temos o nosso receio e as nossas dúvidas.
O Rafael nasce e nunca proibimos o contacto entre os dois, embora ouvíssemos muitas coisas que para nós não fazia qualquer sentido, como:
·  Cuidado não deixes o cão aproximar-se pois pode pegar alguma doença ao bebé…
·  Não deixes o cão estar perto do bebé devido aos pêlos, podem ir para a boca do menino e engasga-se…
·  Não deixes o cão lamber o bebé pode fazer mal…

Bem e por aí adiante!!! Somos uns pais cautelosos, tratamos tão bem do Rafael como da Yara. A Yara é uma cadelinha saudável, tem as vacinas em dia e é desparasitada. Não demos ouvidos a nenhum destes exageros e sempre correu tudo bem! Nessa parte estamos resolvidos agora vem outro assunto, a dita relação entre os dois. Antes de um bebé nascer, as atenções viram-se todas para o animal mas assim que o novo membro da família entra pela primeira vez em casa a situação muda por completo… A atenção é dividida e inicialmente a divisão não é 50/50 como todos nós sabemos. Um bebé exige muito e por isso o nosso filho de 4 patas pode não se sentir muito confortável!

Pesquisei muito, li vários livros sobre o assunto e resolvi aplicar algumas técnicas. São elas:
·  Rotina do cão
A rotina do cão vai ser alterada com o seu novo companheiro, mas devemos começar a implementá-la meses antes do nascimento para o choque não ser brutal, como por exemplo, as Idas à rua, as partes da casa que não quer que o seu cão permaneça e muitos outros. No nosso caso, não nos sentíamos muito confortáveis com o facto da Yara dormir na nossa cama como sempre o fazia, pois o berço de bebé era junto à cama e a meio da noite poderia ir para lá. Não é que proibíssemos o contacto mas sem a nossa supervisão não queríamos. Começou a dormir na sua caminha junto à nossa mesmo ao lado do berço e não refilou.
·  Preparar o cão para a chegada do bebé
Pode parecer descabido mas eu acredito que os cães têm uma sensibilidade extrema quando engravidamos, a Yara lambia imenso a minha barriga, gostava de se deitar sobre ela e eu aproveitava para falar com ela sobre a chegada do novo membro a casa. Na realidade até podem não entender nada mas eu sentia-me bem a fazê-lo e ela também não se queixava eheheh… Todos nós falamos com os nossos cães por isso não acho a ideia disparatada.
·  O cheiro do bebé
No dia seguinte ao nascimento do Rafael, o meu marido levou para casa as primeiras roupinhas que ele usou. A intenção seria a minha filha de 4 patas cheirar e ir-se habituando ao cheiro para não ser uma surpresa assim que chegássemos a casa com o bebé. O olfato é um sentido muito importante para os cães e penso que resultou, até a deixámos dormir com o mini gorro do Rafael.
·  A chegada do bebé a casa
Entrei primeiro eu em casa, cumprimentei a Yara e fiz-lhe muitas festinhas pois tinha ficado ausente 3 dias, já estávamos as duas cheias de saudades uma da outra. Logo de seguida entrou o meu marido com o bebé. Este é um processo que muita gente aconselha e resultou connosco. Ela já estava muito mais calma.
·  Conhecer o bebé
O Rafael estava a dormir no carrinho, o meu marido colocou o ovo no chão e de imediato a Yara veio cheirá-lo. Deixámos que ela estivesse junto a ele nesta primeira abordagem o tempo que quisesse. Como o odor já era conhecido não estranhou a nova presença em casa e surpreendeu-nos pela positiva.
·  Vigie sempre o seu bebé
Os nossos cães até podem ser inofensivos e nós melhor que ninguém conhecemo-los mas é sempre bom vigiarmos os dois, não os deixarmos sozinhos um com o outro. Um movimento mais brusco ou até uma brincadeira pode magoar a nosso bebé e não podemos permitir que isso aconteça.
·  Relação amigável ou não?
As crianças, por vezes, são muito brutas com os animais e temos de ter cuidado com as suas reações. No nosso caso repreendemos sempre um e outro quando isso acontece. O Rafael às vezes era bruto para a sua companheira de quatro patas e chegava a aleijá-la. Rapidamente era chamado a atenção. Por vezes centramo-nos tanto no nosso filho que esquecemos os nossos animais e isso não pode acontecer.
·  Amor, mimo e carinho
Continue a mimar o seu cão, faça-o à frente do seu filho para ele aprender que é dessa forma quedeve tratá-lo. Ações geram ações e vai ver que se vai surpreender com os dois. Muitas vezes quando o Rafael estava a dormir, aproveitava para brincar com a Yara.

Sabiam que:
·  Segundo vários estudos a relação entre cães e crianças pode estimular o raciocínio e a aprendizagem
·  A convivência entre cães e crianças fortalece o sistema imunitário, reduzindo o risco de desenvolvimento de alergias e asma, bem como ansiedade e o stress

Espero que tenham gostado das dicas, o meu desejo é que os vossos filhos sejam eles também os melhores amigos dos vossos animais.