0

Perdi o meu primeiro filho




Engravidei pela primeira vez aos 33 anos, ao contrário do que esperava, engravidei sem qualquer dificuldade. Uma gravidez muito desejada e os primeiros 3 meses foram vividos com muita alegria, esperança, mas também com muitos medos e receios, típicos de uma mãe de primeira viagem!
Tivemos acompanhamento médico desde início e tudo correu dentro da normalidade até ao dia em que fomos fazer a ecografia das 12 semanas. A expectativa era imensa, íamos ver o  nosso bebé e talvez até saber o sexo, fizemos a ecografia e a meio o médico perguntou:
- Tem tido dores? 
- Não.
- Desconforto?
- Não.
- Perdeu sangue?
- Não.
- A barriga tem crescido?
- Sim.
- Mas algo se passa pois o bebé não tem batimentos cardíacos...

ZZZZZZZZZZ... a partir daí só ouvi um zumbido interminável.

Fomos logo vistos pela nossa obstetra, nada a fazer, o coração do meu primeiro filho tinha parado, tinha um aborto retido e os próximos passos eram a expulsão do bebé. 

Foram-me prescritos medicamentos para abortar em casa e após colocação de todos a expulsão não aconteceu. Fui então para o Hospital e depois de um dia inteiro a tentar que o meu corpo fizesse a expulsão fui submetida a uma raspagem com sedação. Foi rápido e indolor, passados mais de 7 anos só me lembro que tinha muito medo e muito frio... Vim para casa vazia e a achar que nunca mais iria ser Mãe... 
E sabem o que mais me assustou foi pensar que era caso único, que tinha feito algo de errado e que isso me tinha feito perder o meu primeiro filho. Descobri depois que o que me aconteceu era muito comum e que muitas amigas e conhecidas já tinham passado pelo mesmo, mas não o tornaram público, não sei se por vergonha.

Eu ao contrário da grande maioria falei e falo sem qualquer tabu sobre os filhos que perdi, sim porque para além deste aborto retido tive uma gravidez ectópica (que partilharei num próximo artigo). 
O que eu passei outras mulheres já passaram e outras tantas ainda irão passar e nenhuma mãe se pode culpabilizar ou achar que fez algo de errado, faz parte da selecção natural, faz parte da vida e faz parte de ser Mulher.

Com carinho