0

O fim da licença!


Chegou o dia que tanto temia desde o teu parto!
Tentei que a dor de te deixar fosse mais ténue...Fomos de férias a última semana, para que não tivesse que me preocupar com outras coisas que me pudessem distrair do meu único foco: TU, minha suricata :)
A noite passada quase que não dormi. Olhava para ti enquanto dormias o teu sono profundo, que já te caracteriza há meses. Passava a mão pelos teus caracóis e pensava em todas as coisas que iria começar a perder.
Ao todo devo ter dormido p'raí umas 3 horas. Acordei e dei-te de mamar.
Acabam hoje as mamadas com calma, com a televisão sintonizada no canal Fox, para ver o CSI...no nível de volume mais baixo.
Hoje a mamã não se pode deitar ao teu lado depois de alimentar-te. Vai ter que sair durante umas boas horas e as tuas próximas duas ou três refeições serão dadas pelo teu pai, o mais babado do momento.
Dou-te um beijinho na bochecha e saio com o coração apertado. Por um lado estou descansada, sei que ficas bem, por enquanto estás com o teu pai e depois irás para a avó e melhor não podia pedir, mas não deixo de estar preocupada. Não irei lá estar para consolar o teu choro, ou para “alimentar” a tua alegria diária. A lágrima claro está, teve que aparecer.
Há uns dias disseram-me para não te dar muitos mimos, senão ficas mal habituada.
Eu ignorei! Desde o primeiro dia, enchi-te com todos os beijinhos possíveis, abracei-te vezes sem fim e tantas foram as vezes que te deixei adormecer ao meu colo, que perdi a conta... e mesmo assim penso que não foi o suficiente. Penso sempre que não é o suficiente. A vida passa num ápice e quero que sintas (desde já) nesse coraçãozinho, que não há ninguém neste mundo que te ame mais do que eu e o teu pai. E que apesar de tudo, apesar de te termos “abandonado” para regressar ao trabalho, iremos sempre estar aqui para ti. SEMPRE!
A verdade é que tu precisas de nós, mas nós precisamos muito mais de ti.

Artigo originalmente publicado em www.theoofdiary.com