0

És um maricas!

És um maricas! - disse a mãe, querendo incentivar o seu filho adolescente.

Fomos fazer um passeio de barco. Um passeio pelo grande rio Tejo. No barco reuniram-se várias famílias. Cada família com a sua forma e feitio. Cada família tão imperfeita como deve ser.
Enquanto o barco descia, paisagens imponentes iam se revelando aos nossos olhos. E num dos locais mais belos o barco parou para que, quem quisesse (e tivesse coragem!), saltar do barco num belo mergulho para as águas geladas do Tejo.
Várias pessoas saltaram. Adultos e crianças, num misto de excitação e receio, lá foram encorajando-se mutuamente.
"Vê lá se consegues!! Anda!" - dizia insistentemente uma mãe (após ter mergulhado) para o seu filho adolescente que ficou no barco. O rapaz respondia já envergonhado: "Não quero mãe. Não me apetece! Deixa-me.”
Até eu, que fiquei no barco, me senti incomodada.
Até que se ouve a alto e bom som:
"És um maricas! Que mariquinhas. Nem consegues saltar. Opáaa!!" - dizia a mãe chateada.
O rapaz, ainda em cima do barco, mudou de expressão para um semblante fechado.
Tirou a camisola e saltou.
Saltou, não porque lhe apetecia. Saltou para ter a aprovação da mãe. Saltou para provar a todo o grupo que não era um mariquinhas. Saltou para ali como saltaria para qualquer outro convite.
E este, é o perigo.
A mãe ficou feliz porque o seu filho saltou. A mãe só quer que o seu filho seja forte e corajoso. E está no seu direito de mãe. A questão está no caminho que escolhemos para ajudarmos e guiarmos os nossos filhos. Nem sempre acertamos, é verdade. Mas podemos aprender e melhorar.
A intenção desta mãe não é magoar o filho, eu sei. Então estejamos atentas ao que dizemos e à forma como o dizemos.
Existe um ditado sufi que diz:
Antes de falares deixa que as tuas palavras passem por 3 portões:
1º portão: É verdade?
2º portão: É necessário?
3º portão: É gentil?
Na verdade, o rapaz estava a ser muito corajoso de ficar no barco, respeitando o seu sentir, quando toda a gente estava a saltar.

Vamos então descobrir novas formas, outros olhares, diferentes sentires nesta viagem de ser mãe.