0

Viajar em família sem levar a casa às costas!

Sempre que falamos com alguém sobre a duração (6 meses) da nossa viagem de volta ao mundo em família, a pergunta que nos colocam quase sempre é:
“…Então e a mala? Como é que fizeram para levar tudo?”


Passámos por um processo de mentalização sabendo que não poderíamos levar tudo o que gostaríamos pois o espaço nas malas é terreno sagrado. Cada centímetro cúbico e cada grama fazia a diferença, principalmente na hora de levar às costas.


Levámos duas malas de viagem, ambas com a possibilidade de transportar às costas tipo mochila. Tornando-se útil quando tínhamos que nos deslocar com as malas e com o Vicente (2 anos) ao colo.


Depois de pesquisar algumas dicas para arrumar a mala optámos pela que nos pareceu mais pratica e da qual ficámos fãs para viagens futuras!


Comprámos 4 pares de sacos de diferentes cores para arrumação das roupas por peças e por pessoa. Assim colocamos as partes de cima do Vicente num saco de cor azul e as partes de baixo num outro saco da mesma cor. Fizemos o mesmo para cada um de nós, diferenciando a cor. Desta forma evitamos ter que desarrumar a mala toda cada vez que procuramos uma peça. Vamos directamente ao saco que pretendemos e a mala está sempre arrumada.


Levámos roupa para 8 dias de viagem. No caso do Vicente levámos para 16 uma vez que a roupa dele suja-se com mais facilidade. Foi difícil chegar a estes números mas lá nos conformámos.


Levámos também uma rede mosquiteira, por indicação da consulta de viajante e colocámos num saco de cor vermelha, toda a farmácia de SOS receitada quer pela consulta de viajante quer pelo pediatra.


Na nossa mala houve espaço também para a varinha mágica! Sim estão a ler bem!

Esta peça foi a mais crítica entre nós pois só a mãe achava que era indispensável. Podem gozar! Quem é que vai dar a volta ao mundo com uma varinha mágica às costas?! Nós! Isto porque o Vicente gosta muito da sua sopinha e fruta em puré e gosta pouco de sólidos! Assim caso não quisesse a comida que lhe oferecíamos fora de casa, tínhamos sempre a hipótese de cozinhar como ele gosta. Eram muitos meses para uma alimentação não cuidada.

Estávamos convencidos que fazer a mala para esta viagem ia ser uma tarefa muito mais difícil do que realmente foi. As dicas que tirámos de outros blogs ajudaram a pensar de forma prática. Quantas não são as vezes em que para uma semana de viagem levamos roupa que nunca chegamos a vestir?!