0

Ser mãe é ativar a lupa de detective de emoções

Já deste por ti a observar o teu filho, sem pensar que é o teu?
Já deste por ti, a saíres de ti e observares-te, apenas isso, como se num banco do jardim tivesses a assistir-te?
Para mim, colocarmo-nos na pele do outro, ter uma visão fora do contexto, é a peça chave, para conseguirmos entendermo-nos, aos outros e aos que nos interferem de algum modo.
Todos temos uma maneira de ser, de estar. A minha energia pode não ser igual à tua, o meu problema pode não ser o mesmo que o teu e agirmos do mesmo modo.
Certamente, já te deparas-te com as ditas "birras", impertinência, aborrecimento, o bater a ti e a todos, o gritar, o "não quero", do teu filho?! Pois bem, todas estas atitudes, para mim, são uma "chamada de atenção", que eles nos dão. Para que servem? Servem para pensarmos, repensarmos no que se passa. Talvez qualquer pai, dependente da situação, contexto, local, importar-se-ia em terminar com aquele comportamento, com castigos, palmadas, gritos....
E se mais uma vez fossemos sentar no "banco do jardim" e assistir a situação de fora? ou "colocarmo-nos" na pele do nosso filho? e entendê-lo... Será que tem sono?, será que precisa de conexão comigo, visto que estive a trabalhar e tem saudades, será que se sente inseguro, e precisa apoio, será que tem fome???

Todas estas coisas ditas "básicas" fazem a diferença.
Porque não descermos à altura da linha dos seus olhos, abraça-los, dizermos que os entendemos, apesar daquela atitude não seja correta e tentar acalmá-lo, para que sintam que nós estamos ali, nós apoiamos, e respondemos às suas emoções, porque elas são reais e existem e não as ignoramos.
Eu tento sempre olhar para as atitudes com um porquê por trás daqueles comportamentos. Se estas ditas coisas "básicas" forem colmatadas agora, no futuro criamos seres bem mais seguros e fortes emocionalmente (tenho fé disso).

O Mundo Infantil é encantador, tem cor, risos, alegria, fantasia, imaginação, não é um mundo negro, com lágrimas, com dor, com crianças más e ruins.... O mundo infantil é criado com aquilo que se vive, com a sementinha que for plantada, com todas as directrizes que delineas-te para ti, como Mãe, o teu filho será só esse fruto
Para que se torne mais fácil, há que " abrir o olho", a lupa de detective, perceber que tipo de personalidade, energia tem o teu filho (aventureiro, sensível, intelectual, líder) e adequar cada modo de agir com cada atitude que nos apresenta, mas sempre pensando o que o levou àquele comportamento, acho que se torna bem mais sensato, tranquilo e equilibrado, quando assim se faz.

Não sou educadora, coaching, nem nada, sou só uma Mãe igual às outras, sensível ao ponto de tentar entender aquilo que os seus olhos vêem  e o coração sente.