0

Porque é que as segundas feiras são tão difíceis

Para mim, são as segundas feiras o dia que mais custa. O fim de semana é sempre curto para tanta coisa que queremos fazer e passa depressa demais. Na segunda feira sentimos que o tempo voou e que não fizemos nem metade do que precisávamos de fazer, nem metade do que prometemos aos nossos filhos que íamos fazer. Há um ou outro em que o tempo rende e conseguimos fazer muito do que planeámos, mas é fácil querer que o tempo estique e sentir que não chega para tudo o que planeamos.
Ao sábado, saímos da cama com ligeireza. Todo um fim de semana pela frente, poucas responsabilidades, poucos horários. Acordamos bem dispostos, normalmente mais tarde do que é hábito, saltamos da cama e preparamos um pequeno almoço diferente que saboreamos em família à mesa, com toda a calma do mundo.
Depois do pequeno almoço os miúdos podem brincar enquanto os adultos arrumam tudo e organizam as coisas de adulto, como refeições, máquinas de roupa, limpezas. Se precisarmos de ir às compras, vamos em família! Eles gostam e portam-se bem. Sempre os habituámos a irem connosco para todo o lado e o supermercado não é excepção.
Depois disto, temos um mundo de possibilidades. Se o tempo estiver bom podemos sair! Podemos passear a pé pelo bairro, podemos ir até à nossa horta, ou para junto do mar, com patins e bicicletas, e deixar que os miúdos brinquem o tempo todo que quiserem. Regressamos a casa para almoçar quando nos apetecer. Não precisamos de almoçar a uma hora certa e nestes dias podemos quebrar com as regras e almoçar mais tarde, se nos apetecer! Mesmo que já houvesse uma refeição planeada, podemos mudar os planos à última hora de ceder aos pedidos para comer coisas de que gostam mais. Cá por casa há muitos almoços de fim de semana que são comidos no sofá, com tabuleiro, e com uma ementa que adoram: hambúrguer no pão com batatas fritas e coca-cola! Fazer refeições no sofá com a televisão acesa não é coisa para o dia a dia. Mas ao fim de semana há cedências! E esta pode ser uma delas.
À tarde brincamos, jogamos jogos, voltamos a sair para mais um passeio. Podemos fazer um bolo para o lanche, lanchar tarde, e jantar ainda mais tarde. Com mais brincadeira pelo meio. À noite, já bem tarde, podemos deitar-nos todos no sofá, de lareira se ainda estiver frio e escolher um filme. Podemos adormecer no sofá, e podemos deitar-nos tarde, mas não faz mal, porque o dia seguinte também é fim de semana!
A manhã de domingo também pode começar tarde. Podemos acordar devagar, normalmente ao ritmo deles, demorar a descer, brincar antes do pequeno almoço. Podemos escolher o que nos apetece comer. Fazer panquecas, scones, torradas, ou comer uma fatia do bolo que fizemos na véspera. Podemos fazer jogos de palavras enquanto comemos, e demorar tempo à mesa. Afinal, ninguém tem que chegar a horas a lado nenhum!

Podemos deixá-los brincar à vontade, e tratar das tarefas domésticas que estão para pôr em dia, mudar roupas de cama, estender e apanhar várias máquinas de roupa, arrumar a casa ou alguns armários por dentro e optimizar a arrumação. Podemos almoçar tarde, porque como acordámos tarde não vamos ter fome para almoçar à hora a que normalmente almoçamos.

Depois de almoço, se estivermos com vontade de descansar, podemos fazer um cinema. Fechamos as janelas todas, se for Inverno acendemos a lareira, fazemos pipocas e instalamo-nos. Escolhemos um filme que normalmente eles veem atentamente, enquanto nós dormitamos uns bocadinhos. Depois do filme podemos deixá-los brincar à vontade com o que quiserem e como quiserem! Brincam, desarrumam, arrumam, desarrumam outra vez e voltam a arrumar. Param para jantar, e pedem para fazer um pic-nic na sala. Pomos uma manta no chão, montamos a mesa, e jantamos ali. De pernas cruzadas, rabo sentado numa almofada, prato no colo.

Deitamo-nos mais tarde do que devíamos, felizes pelo fim de semana bom que tivemos, e a perguntar porque é que amanhã temos que ir trabalhar e porque é que eles à têm que ir à escola. O sentimento é mútuo. Os fins de semana não deviam acabar assim tão depressa.
Porque é que as segundas-feiras custam tanto? É simples! Porque os fins de semana são tão bons que não queremos que acabem nunca!