0

Obrigada a ti...que eu não conheço!


Era um dia igual aos outros até teres entrado na minha sala para fazer o teu exame. Era só uma rotina. Não tinhas queixas nem antecedentes familiares de doença alguma.
Vinhas com pressa! Talvez tivesses acordado cedo e arranjado o teu bebé a correr para o deixares na escola sem chegares atrasada ao teu local de trabalho. Deves ter trabalhado todo o dia, ter ido buscar o teu filho à escola num instante para não te atrasares e estavas ali com pressa, para fazeres aquele exame, porque provavelmente ainda terias que fazer jantar, dar banho ao filho e fazer uma ou outra coisa antes de dormires, porque no dia seguinte ia ser tudo a correr, novamente! Provavelmente desejarias brincar um pouco com o teu filho antes de o deitares e de jantar tranquilamente com o teu marido, mas talvez não consigas ter tudo despachado a tempo.
Raramente consegues...

Fiz-te o exame e pouco depois de saíres de ao pé de mim estavas a ouvir o médico dizer-te que não gostava do que via! Naquele instante soube que os meus olhos tinham realmente visto o que eu não queria...
Fizeste-me sentir que podia ser eu. Que aquele exame podia ser meu! Pode sempre ser de qualquer um de nós, mas desta vez foi diferente. Tinhas exactamente a minha idade e ao teu colo trazias o teu bebé, da idade do meu...

Naqueles poucos minutos a tua vida mudou e sem que tenhas qualquer noção disso, mudaste um pouco a minha também.

Deixaste-me a pensar no que provavelmente iria na tua cabeça naquele instante...No medo que sentirias com a possibilidade de não conseguires ver o teu filho crescer, no medo do caminho que tinhas pela frente, no medo do que podias deixar de viver e possivelmente, na culpa de deixares sempre para depois, tudo o que realmente te importa, por achares que terias todo o tempo do mundo...!

Obrigada a ti, que eu não conheço, por me teres ajudado a antecipar os medos. Por me fazeres olhar para a pressa em que vivemos e em tudo o que com ela perdemos. Por me fazeres pensar nas minhas prioridades e por me teres lembrado que estava na altura de ajustar a minha vida ao que realmente me importa, sem me dar ao luxo de esperar que possa vir a ser tarde demais...