0

O meu filho não me escuta! - como melhorar a comunicação entre pais e filhos


Desde muito cedo que aprendemos a comunicar de modo muito natural, pronunciando as primeiras palavras ainda antes de completarmos um ano de vida. Parece por isso quase um contrassenso querermos aprender a fazer algo que na realidade já fazemos. A verdade é que falamos muito, mas temos regra geral, uma grande dificuldade em manifestarmos os nossos pensamentos, expressarmos os nossos sentimentos e ao mesmo tempo compreendermos os dos outros. Quando falamos de comunicação entre pais e filhos… aí ainda se torna mais complicado e todos nós passamos por esse desafio…
Uma das regras básicas para comunicarmos de forma mais consciente com os nossos filhos é muito simples: basta lembrarmo-nos como gostamos que comuniquem connosco! Como me sinto quando não sou escutada, quando não posso exprimir os meus sentimentos, quando me dizem que não posso ter opinião?
Aqui ficam então algumas sugestões de como podemos melhorar a comunicação com os nossos filhos:

1. Conecta-te
A conexão é a base de toda a comunicação consciente. Funciona como um túnel de ligação - quanto mais largo for o “túnel”, mais a comunicação flui. Quanto mais estreito for (quanto menor for a conexão), mais a comunicação será difícil. Para criar conexão lembra-te mais uma vez de como gostas que falem para ti: aproxima-te ao nível do teu filho, olha-o nos olhos e interessa-te pelo que está a fazer.

2. Está presente com atenção e com o coração
As crianças percebem perfeitamente quando estamos atentos ao que dizem ou quando apenas fingimos que estamos. Para o que estás a fazer e dedica-te totalmente a escutá-lo.

3. Escuta
Escuta com os ouvidos, com os olhos e com o coração. O que o teu filho te “diz” vai muito para além das palavras.

4. Evita interferências
Estamos pouco habituados a escutar sem intervir e na maior parte das vezes o que os nossos filhos mais precisam é que alguém os ouça: sem críticas, sem julgamentos, sem opiniões. Quando intervimos em demasia: “porque é que não fazes assim…”; “eu tinha logo feito isto e aquilo…”, “já sabia que isso ia acontecer…” não promovemos a responsabilidade e a autoestima e a mensagem subliminar é a de eles não são suficientes, a de que nós faríamos melhor e mais rápido”. Se o teu filho quiser a tua opinião, ele vai pedi-la!

5. Sê objetiva
Quando falares com o teu filho tenta ser clara e usar poucas palavras. As crianças percebem quando estamos com rodeios. Não te repitas muito.

6. Sê congruente
As palavas que dizemos têm um impacto pequeno comparado com o tom que utilizamos e com toda a linguagem não verbal que exprimimos. Quando dizemos algo em que não acreditamos, essa incerteza revela-se e as crianças percebem-no muito bem.

7. Assume a responsabilidade
Exprime aquilo que sentes e o que queres de forma clara, usando uma linguagem pessoal e assumindo a responsabilidade. O modo como olhamos para as situações está relacionado mais connosco do que com os outros – os nossos medos, frustrações e julgamentos. Aceitar a nossa vulnerabilidade, as nossas emoções e sentimentos é meio caminho andado para que o nosso filho identifique, aceite e aprenda a gerir melhor as suas próprias emoções e sentimentos, base fundamental para o seu desenvolvimento mais equilibrado e saudável.

8. Pede apenas o que é possível
Tenta entender o ponto de vista da criança. Repetir-lhe que tens muita urgência porque tens uma reunião à qual não podes chegar atrasado, não significa muito para a criança. Sê clara nos teus limites e valores mas tenta sempre colocar-te no papel do outro.

9. Acolhe as emoções
Acolher todas as emoções. As “boas” e as “más”. Quanto mais a criança se sentir segura para expressar os seus sentimentos e emoções, sejam eles quais forem, melhor se sentirá. As crianças (tal como os adultos) têm muitas vezes dificuldade em verbalizar as suas emoções e acabam por as exprimir através de comportamentos. Cabe-nos a nós adultos ajudar a criança a acalmar-se até que ela consiga fazê-lo por si mesmo.

10. Dá-te um tempo
No impulso do momento, por vezes é difícil termos uma comunicação mais presente e alinhada com as nossas intenções. Por vezes uma pequena pausa é o suficiente para conseguirmos olhar para a situação com maior objetividade, com “mente de principiante” e menor julgamento. Sem misturar o que a criança “fez” com aquilo que a criança “é”. Uns segundos para respirar fundo antes de reagir fazem, na maior parte das vezes, uma grande diferença!