0

Se ainda não fosse mãe ia querer ser

O que é ser mãe para mim, é ser uma mulher que se multiplica em mil tarefas e em mil sentimentos todos dentro de 24 horas. Sempre soube que queria ser mãe e “o que se vê e vende” é que ser mãe é sempre maravilhoso, mas não é, desenganem-se que não é e ainda bem.
São tantas as tarefas que nos são “incutidas” como obrigatórias de executar na perfeição (como se tal existisse). Criamos um peso acrescido cima de nós desnecessariamente.
Ora ser mãe tem tudo de bom como também tem de mau, sim tem de mau também ou vão querer que acredite que mudar aquela fralda mal cheirosa que saiu borda fora percorreu as costas até ao pescoço é a bênção mais linda do mundo, porque tudo o que é relativo aos nossos filhos é simplesmente perfeito? Errado.
Há coisas más e vou começar por essas por que as piores notícias são sempre melhor de se ouvir que sabemos que depois vêem boas notícias.

As coisas más, as noites mal dormidas, as cólicas as malditas cólicas, o nascer dos dentes, as viroses, o amamentar a toda hora e não ter mãos livres (eu amamentei ate aos 9 meses e com 5 mastites que fiz e só parei por ela já rejeitar o meu peito), o perder de cabelo (aumenta a partir do 3 mês para mim foi assim), o não puder deixar de sentir aquela culpa por tirarmos 1 hora ou 1 minuto longe dos nossos filhos, a culpa de acharmos que estamos a fazer algo mal, os comentários de terceiros… E fico-me por estes maus.

Mas de bom, ai de bom há tanta tanta coisa que vai já contra o que escrevi no mau, posso começar já no amamentar que é sempre o tema mais polémico, quando amamentamos, aquele momento é só nosso e deles. Era um momento que adorava, estávamos ali só as duas e mais ninguém. Ninguém mais os pode alimentar daquele modo, ter o corpo tão próximo de nós, sermos o alimento, o nosso cheiro que os acalma, aquele olhar que eles nos fazem que nos derrete em horas a fio, as viroses que nos fazem ficar em casa a mimar muito os nossos filhos, ser criança outra vez com eles, cantar e dançar sem pensar se alguém está a ver as nossas figuras mas os nossos filhos estão felizes, falar com ela horas a fio e ela comigo mesmo que se entenda menos de metade, toda a alegria que é simplesmente ficar a olhar para eles, a alegria de chegarmos ao pé deles seja em casa ou na creche e virem a correr para o nosso colo com o maior sorriso do mundo como se não nos vissem à meses, e podem ter só passado 5 minutos de ausência para sentir este amor, aquela alegria que nos faz sentir logo como MÃES felizes sem necessitarmos de nada mais naquele momento que não aquele pequeno ser ou seres. 

Ser mãe também nos ajuda a crescer e muito, aprendemos e mudamos muito, mas sempre em melhoria, quando mudamos não acredito que mudamos para pior do que já fomos, mudanças para pior.
Se ainda não fosse mãe ia querer ser!!!