0

Que mãe perfeita que eu fui…



A sério mesmo. Fui uma excelente mãe, a melhor do mundo! Fui a mãe perfeita…a inveja de todas as mães!
Fui uma mãe perfeita quando vi aquele miúdo no shopping a atirar-se para o chão em brutal birra, para completa impotência de sua mãe que mais parecia bipolar. A senhora ora olhava em volta envergonhada, ora berrava com o miúdo que nem uma louca! Ela até ameaçou o puto com uma palmada… Mas eu não! Eu, mãe perfeita sabia exactamente o que fazer… A Educação não acontece num minuto… Isto é mimo! Isto é não saber educar! E para quê que ela está a gritar com o miúdo?!Não sabe manter a calma? Uma palmada? Isso faz-se alguma vez?! Eu não… Eu sou uma mãe perfeita.

Fui uma mãe perfeita quando a minha amiga me falava das noites em branco a dar de mamar. Ela pálida, com olheiras até aos joelhos, com desespero na voz e depressão no olhar… A culpa é dela! Ela é que não soube habituar a miúda como deve ser… Ela é que devia ter feito tudo ao contrário… Tem de ser. Eu não faria assim, porque eu sou uma mãe perfeita!

Fui uma mãe perfeita quando a minha colega de trabalho pôs baixa por depressão pós parto e ainda ia pôr os gémeos à creche para conseguir descansar! Calona, dizia eu! É uma calona e não quer fazer nenhum! Está em casa o dia todo e ainda vai despejar os miúdos à creche!? Como é que ela é capaz? Ela é uma preguiçosa, é o que é! Eu dava conta, na boa… Custa alguma coisa? Depressão? Eu tenho lá tempo para depressões?! Eu sou uma mãe perfeita!

Fui uma mãe perfeita quando ia jantar a casa da minha irmã e via aquela casa naquele estado. Porcalhona… Então mas ela tem a loiça do almoço por lavar? E isto é uma sala ou um caos de brinquedos? Não dá para perceber onde é que acaba o sofá e começa a piscina de bolas… Mas custa alguma coisa arrumar as coisas? O miúdo dorme, de certeza… Se em vez de se encostar aproveitasse para arrumar a casa é que ela fazia bem. É o que eu faria, porque eu sou uma mãe perfeita.

Fui uma mãe perfeita quando vi aquela pequena no restaurante, toda suja de comida, aos gritos a cantar as músicas da televisão… Vê lá tu bem que a miúda já sabe as musicas e tudo… deve passar os dias em frente à tv. Isso só faz mal aos miúdos… E qual é a necessidade de deixarem os miúdos sujarem-se todos a comer… se tivessem mais cuidado… Não há necessidade de tanta javardice… porque eu sou uma mãe perfeita.

Fui uma mãe perfeita quando vi mães exaustas e desleixadas, com nódoas na roupa , cabelo amarrado, unhas por arranjar, e roupa que mais parecia de andar por casa.

Fui uma mãe perfeita quando vi pais a transpirarem cansaço e desespero. Pais sem paciência, com olheiras e casas por arrumar.

Fui uma mãe perfeita quando vi pais a cederem aos gritos e às birras, aos quereres e vontades dos pirralhos. A darem-lhe o que eles querem em troca de uns poucos minutos de sossego.
Fui uma mãe perfeita, pois…

Até que fui mãe!
Porque na teoria, tudo é fácil, tudo é simples e todas somos mães perfeitas!
Do lado de fora, não há cansaço que nos atinja, nem exaustão que nos mande abaixo.
Por que quando não é connosco, somos as maiores… somos perfeitas!
Depois somos mães e percebemos que de perfeitas não temos nada!
Percebemos que o cansaço, a exaustão e a depressão existem e são reais. Percebemos que as birras e os gritos acontecem mesmo quando achamos que não. Percebemos que noites mal dormidas faz parte, e que uma palmada não é o fim do mundo. Percebemos que a casa nem sempre estará impecável, nem a loiça lavada, e que os brinquedos fazem parte da decoração. Percebemos que não há nada mais giro que ver os nossos filhos a tentar comer sozinhos mesmo que isso implique uma sujeira descomunal.

Percebemos que não somos mães perfeitas, como éramos antes de ser mães! Percebemos que somos perfeitas, apenas à nossa medida! O melhor que podemos!