0

Crianças, os Exploradores da Vida Natural

Nos dias que correm fala-se muito em sustentabilidade, alterações climáticas, proteção e conservação da natureza; energias renováveis, etc, etc, ….Uma miscelânea de assuntos que se entranham nas nossas vidas. Assuntos tão batidos e repetidos que é praticamente impossível encontrar alguém que nunca tenha ouvido falar em meios de vida mais sustentáveis ou formas de levar uma existência em consonância com o bem-estar do planeta.
Contudo, para muitos o conceito de sustentabilidade, o reconhecimento da existência de alterações climáticas, as suas causas e consequências, são ainda algo estranhos e longe das suas realidades, até pela dificuldade em reunir conhecimento e argumentos capazes de provocar a alteração de comportamentos.
E lá vamos vivendo, com a impressão que de fato essas coisas acontecem, que existem formas de as minimizar, mas, sem darmos grande importância ou refletirmos sobre isso.
Mas é importante! Pois apesar da possível incompreensão e da utopia que possa parecer, ser sustentável individualmente pode mesmo ajudar a resguardar a vida no planeta e provocar um recuo na ferócia em que o Homem vive hoje.
Tudo o que somos, o que comemos, as doenças, as pragas, o calor ou o frio, a electricidade, a água, o gás natural, o petróleo, as energias renováveis, etc etc.... devemos à Natureza. E por isso é importante compreendermos a vida natural, o funcionamento do ambiente em geral e os ciclos das coisas que utilizamos
Para que as nossas crianças cresçam esclarecidas e conscientes, nós mães, que além de sermos a base do exemplo e dos valores dos nossos filhos, somos a primeira linha de repostas aos seus porquês, temos esse papel fundamental: sermos esclarecidas, para esclarecer!
E podemos fazer a diferença! Como?
É fácil...
Não é necessário estudar calhamaços nem assistir a todos os programas de National Geographic, basta envolver e incentivar as crianças para que explorem o ambiente à sua volta e as respostas surgirão!
Podemos começar pela adoção de pequenos grandes gestos do dia-a-dia que visem a sustentabilidade e a diminuição dos impactos que nossas atividades nos ecossistemas, que se reflectem no que se consome, o que adquirir e como agir!
Medidas simples como economizar papel, fazer a separação do lixo em casa; economizar água e energia elétrica através de um uso mais racional desses recursos; evitar consumir produtos de origem ilícita ou que tenham sido obtidos (extraídos ou fabricados) através de meios prejudiciais à natureza, são atitudes muito simples de adquirir e com grande impacto na sensibilização dos nossos filhos.
Também é importante manter uma postura positiva e descontraída face à curiosidade das crianças, permitindo-lhes observar, tocar, escutar, brincar e evitando expressões como: Para que é que isso interessa? Que nojo!; Sei lá eu! E outras do género...
Assim, se quando formos confrontadas com questões do tipo: Mãe porque é que o céu é azul? Mãe quem é que faz o arco-íris? Mãe o esparguete é carne ou peixe? Mãe, o que é extinção? Mãe o que é um vírus? Mãe, porque é que os catos picam? Mãe, nós vimos do macaco? Mãe, podemos apanhar um passarinho e levá-lo para casa? Convém ter uma resposta... ou se não a tivermos... convém procurá-la (juntos, já agora) para esclarecer... ambos!!!
Agindo desta forma, vamos naturalmente criando mais e mais empatia com a Natureza, e essa energia positiva, fará despoletar o interesse e a vontade de compreender a vida e de adquirir uma postura mais consciente e esclarecida.
É claro que ser sustentável num mundo de altíssimo consumo e onde as pessoas valem mais pelo que podem consumir e pelo que têm e não tanto pelo que são ou pelos exemplos que produzem; pode ainda não ser muito popular, mas, com o passar do tempo e com a evolução da consciência ambiental global essa forma de vida será aceite por toda a sociedade como a única forma realmente possível de prolongarmos a nossa existência nesta nossa ínfima e adorável bola azul a que chamamos Terra.
Muito em breve; o “ser sustentável” estará colocado para a humanidade de forma inevitável. Isto porque, ao ritmo a que a degradação ambiental e a exploração dos recursos naturais ocorrem; o ser humano coloca a sua própria existência em perigo, caso não atualize os seus conceitos e nem reveja a forma de encarar sua presença e a sua interferência na natureza.
O nosso planeta não precisa de gestos magnânimos da nossa parte, nem que se revolucione por completo a vida para o ajudar a manter Vivo!
Apenas necessita que cuidemos dele com respeito e cuidado, porque afinal de contas, esta é a nossa grande casa e o verdadeiro legado para as gerações vindouras!
Pensem nisso! Explorem a Vida natural com os vossos filhos! Incentivem-nos a viver em maior harmonia com o Ambiente! Descobrirão e viverão juntos, experiências fantásticas!
É garantido!